Lula e polvo: conheça as principais diferenças

Lula e polvo: conheça suas principais diferenças de consumo

Entenda as diferenças entre lula e polvo, desde a forma como deve comê-los até suas características físicas

Por vezes, a lula e o polvo podem ser facilmente confundidos devido ao formato semelhante do corpo. Isso porque ambas as espécies possuem em sua estrutura corporal oito braços. No entanto, há quem diga que os pratos tem sabores totalmente diferentes e os modos de preparo também são muito distintos entre si.

Os pratos preparados com lula podem ser encontrados em uma grande variedade de restaurantes japoneses aqui no Brasil. Já o polvo é mais difícil de ser encontrado, pois é pouco comum na culinária do nosso país. Nesse post, iremos trazer as principais diferenças entre lula e polvo e os benefícios de comer cada um deles.

As diferenças entre lula e polvo

Apesar de a lula e polvo fazerem parte do reino dos moluscos, eles têm diferenças notáveis quando falamos de culinária. Para os amantes de frutos do mar, é possível percebê-las na textura: a lula tem carne borrachuda e elástica, enquanto o polvo é mais consistente e macio.

O sabor dos pratos também tem características muito diferentes. O polvo costuma ser conhecido por ter carne de sabor mais marcante. Enquanto isso, a lula tem sabor bem mais suave ao paladar. Um detalhe importante para que ambos possam ser cozinhados é entender sobre seu tempo de cozimento. Caso contrário, ambas as carnes podem ficar duras.

Se aprofundarmos a entender o corpo da lula e polvo, também começaremos a notar algumas diferenças perceptíveis. No caso da lula, é possível detectar um corpo mais alongado e comprido, lembrando um tubo. Já o polvo tem um formato mais arredondado. Além disso, se olharmos com atenção perceberemos que a lula tem apenas dois tentáculos e o resto se trata de nadadeiras.

Lula e polvo: conheça suas principais diferenças de consumo

Comendo a lula

A lula é um alimento muito rico em ferro. Além disso, é considerada muito benéfica à saúde devido ao seu alto valor nutricional. Por este motivo, costuma ser encontrada em uma grande variedade de receitas, com diferentes modos de preparo. Além de estar nos restaurantes japoneses, também costuma ser servida a dorê e empanada.

A composição da lula inclui um grande acúmulo de vitamina B12 e de B3. Sendo assim, fornece para quem a consome muito mais energia ao corpo. Também é capaz de estabilizar de forma adequada os níveis de açúcar no sangue. Sendo assim, é uma boa opção para diabéticos. Por fim, tem uma boa quantidade de antioxidantes que auxiliam no combate dos radicais livres, impedindo o envelhecimento precoce.

Comendo o polvo

O polvo e lula podem ser encontrados em diversos pratos juntos, como por exemplo a paella. No entanto, o polvo traz alguns benefícios que não estão inclusos na lula. Ele é um alimento rico em ômega 3, sendo assim, auxilia a prevenir doenças do coração. Além disso, é uma importante fonte de proteínas que impulsionam a produção de hormônios e de enzimas.

Para quem é amante da prática de esportes, o polvo traz ainda mais vantagens quando ingerido. Por ter baixo teor de gorduras, é considerado uma carne magra que ajuda a diminuir a presença de colesterol ruim do organismo. Alimentar-se de polvo também significa a ingestão de diversos aminoácidos que promovem ao corpo a produção de células e músculos novos. Por isso, é indispensável para quem gosta de praticar atividades físicas.

Para continuar recebendo dicas e novidades sobre os frutos do mar, basta acompanhar as postagens feitas aqui em nosso blog.

Até a próxima!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *